SOBRE A PARIZI



Um grupo com foco em moda jeanswear, alta qualidade e criação de novas tendências para todo o Brasil.

VESTIR BEM E COM ESTILO, ESTA É A NOSSA PROPOSTA.

Pioneira no segmento infanto-juvenil fabricamos peças modernas e leves, com acabamento impecável vestindo os pequeninos desde os primeiros passos até a galera Teen.


CONHEÇA MAIS SOBRE A PARIZI

LOOKBOOK


VEJA MAIS LOOKBOOKS

POSTS RECENTES


Seu cantinho mais charmoso

Hoje, a Parizi traz 5 dicas para você decorar seu cantinho e deixar ele com sua cara. Veja como a mudança de alguns elementos no ambiente já trazem outros ares para sua casa. Então, vamos para as dicas e deixe … Continuar lendo

Suppa é pura inspiração

Ler é um hábito que deve ser incentivado desde cedo. Os pequenos adoram ouvir e ler histórias, conhecer personagens novos e suas aventuras. Quem tem criança em casa ou já leu história para elas, sabe o quanto elas ficam encantadas com as … Continuar lendo

O segredo da unha cromada

O efeito metalizado chegou com tudo e invadiu nossos looks e ganhou um espacinho nos nossos corações, não é mesmo? Teve saia plissada, bolsas e calçados metalizados que deixaram a gente morrendo de vontade de usar e ousar no nosso look. Agora, … Continuar lendo

Patches no seu look para as festas de final de ano

Final de ano está ai e com ele todas as festas, os reencontros com amigos e família. Uma delícia! Hoje, a dica da Parizi é para você se jogar na tendência nesse final de ano e pro resto do verão inteiro. … Continuar lendo



marca blog do lojista

Conheça 4 empreendedores que investiram no mercado infantil

59073-conheca-4-empreendedores-que-investiram-no-mercado-infantil

Segundo o Sebrae, em 2013, o mercado infantil movimentava 50 bilhões ao ano. Os motivos são diversos, incluindo o crescente acesso dos pequeninos à tecnologia: a Norton On Line Report apontava que, em 2009, o Brasil era o país onde as crianças passavam mais tempo online. Em 2013, e-commerces de moda infantil movimentavam cerca de 640 milhões, de acordo com a Associação Brasileira de Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), e o segmento representava cerca de 15% do setor de moda. Nesse contexto, surgiram discussões sobre a publicidade infantil, limites para o acesso das crianças à tecnologia e sobre normas de gênero. Daí o despertar de novos negócios, que têm a missão não só de conquistar os ideais dos pais, como também o olhar dos pequenos e a confiança dos órgãos de amparo aos direitos da infância. O amadurecimento dos usuários de tecnologia foi fundamental para que o empreendedorismo digital alcançasse o mercado infantil. Usando dispositivos móveis como aliados no processo educacional, famílias com cada vez menos integrantes tornam-se mais exigentes com o que é oferecido aos seus filhos — e esse padrão se estendeu a outros setores, como a moda Se você está flertando com esse nicho e quer entender qual é a força do mercado infantil no Brasil, confira agora 4 histórias inspiradoras de empreendedores brasileiros que se destacaram ao atenderem os pequeninos!

1. Fabiany Lima (Timokids)

Inspirada pelas experiências com as filhas gêmeas Laís e Lara, Fabiany Lima criou o Timokids, um aplicativo de histórias infantis escritas por ela. Unindo educação e entretenimento, o aplicativo traz jogos e histórias educativas narrados e legendados em vários idiomas. As narrativas pretendem ajudar pais e professores a conversar sobre temas como a sáude, preconceitos, bullying, dentre outros. Os conteúdos são revisados por psicólogos e pedagogos, de forma a garantir mais segurança para os pequeninos.

2. Lila Colzani (Pistol Star)

Lila Colzani é estilista e fundadora da marca Colcci, um dos maiores nomes da moda brasileira nas últimas décadas. Após sair da criação da marca em 2006, mudou-se para São Paulo. Em 2007, após o nascimento do filho Pedro, Lila notou que o mercado infantil estava carente de opções de streetwear pensadas para crianças bem informadas e ativas. Com seu instinto empreendedor, Lila viu no nicho uma excelente oportunidade de mercado, fundando a Pistol Star. A marca traz à tona os valores exigidos pelas novas gerações na educação das crianças, encorajando-as a quebrarem barreiras de gênero e se aventurarem independentemente de serem meninos ou meninas.

3. Luiz Castilho (Leiturinha)

Quando a filha de Luiz Castilho tinha cerca de 10 meses, ele já se preocupava com formas de estimulá-la com livros e músicas infantis. Assim, criou o Leiturinha, um clube de assinatura que entrega livros infantis todo mês. Escolhendo um plano, o assinante tem acesso a um kit personalizado que varia de acordo com a etapa de desenvolvimento da criança, incluindo um livro e dicas para a experiência de leitura em família. Além disso, a startup também disponibiliza livros e vídeos infantis no Leiturinha Digital.

4. Movile (PlayKids)

Criado pela Movile (SP), o PlayKids era, em 2015, o terceiro aplicativo mais rentável da App Store, ultrapassando até mesmo o Candy Crush. O aplicativo possui uma versão gratuita, que oferece vídeos e jogos limitados, e uma assinatura, que traz o conteúdo completo. Nascido em 2013, o PlayKids está disponível em mais de 100 países e já levou a Movile para um escritório no Vale do Silício. Eduardo Lins Henrique, um dos fundadores da Movile, atribui o sucesso à preocupação com o conteúdo, com a experiência para o usuário e, também, com o ato de ouvir os clientes atentamente. Conectadas às novas tecnologias e interagindo com modelos de educação cada vez mais diversificados, as crianças lançam novos desafios e oportunidades para o mercado infantil. Quem oferecer produtos de qualidade, dialogando com as necessidades do seu nicho, se sobressai. Se você conhece uma ideia de negócio no mercado infantil que chamou a sua atenção, compartilhe com a gente aqui nos comentários!  

Como fazer um planejamento financeiro empresarial para 2017

61219-como-fazer-um-planejamento-financeiro-empresarial-para-2017

Todo mundo que trabalha no setor de comércio anseia por começar 2017 com o pé direito para fugir da crise. Mas você sabe o que é preciso fazer para garantir que isso ocorra no seu negócio? O primeiro passo para se organizar e enfrentar as dificuldades que 2016 deixou é bolar um bom planejamento financeiro empresarial. Para ter sucesso nessa empreitada, é necessário investigar vários fatores no negócio e analisar cada uma deles. No post de hoje, listamos alguns pontos que devem ser levados em consideração e mostramos a você como analisá-los para montar o seu planejamento financeiro. Acompanhe! 1. Identifique qual é a atual situação da empresa Como a sua empresa está no atual cenário econômico? Sua posição é confortável no mercado? Há quanto tempo você atua no seu setor? Seu negócio possui clientes fiéis? Colocar no papel qual é o panorama da empresa é o primeiro passo para conseguir montar o seu planejamento e obter resultados eficazes ao longo do ano. 2. Preveja os possíveis cenários Não é possível prever o futuro, mas como bom empresário, você certamente conseguirá fazer uma boa estimativa do que ele lhe reserva. Para isso, é preciso usar os conhecimentos e os dados coletados pela sua empresa durante todo o ano de 2016. Levante quais foram as suas despesas fixas e qual é a média das variáveis. Avalie também todos os seus custos operacionais, desde o momento da produção ou da compra da mercadoria até a venda e pós-venda. É interessante também fazer uma média de quanto a empresa lucrou por mês. 3. Evite fazer empréstimos Se você não fez um bom planejamento e não conseguiu se organizar para as despesas de final de ano, o empréstimo pode ser a sua primeira opção. Porém, o conselho é evitar fazê-lo, principalmente no atual cenário de crise financeira pela qual o país está passando. Os juros continuam elevados e eles conseguem reduzir e muito os seus lucros. 4. Verifique o estoque O que saiu mais das prateleiras da sua loja em 2016? Quais foram os produtos mais procurados pelos clientes? Quais são as tendências para 2017? Baseando-se nessas perguntas você conseguirá organizar todo o seu estoque. Faça um balanço e verifique quais peças ainda possui em grande quantidade e o que se pode fazer com elas para que o seu dinheiro não fique parado e perdendo valor. Saiba o que não pode faltar de forma alguma e qual é a quantidade ideal para comprar. 5. Defina o orçamento de marketing Não importa qual é o tamanho da sua loja, qual o panorama do mercado ou qual é a posição dela no momento: todas as empresas precisam reservar uma parte do dinheiro para o marketing. Essa parte não pode ser negligenciada de forma alguma! Você pode investir no marketing digital, por exemplo, que possui um custo menor que o tradicional e consegue trazer maiores resultados e com mais qualidade. Além disso, essa é uma forte tendência para as empresas em 2017. Fazer um bom planejamento financeiro empresarial pode demandar algum tempo seu, a fim de realizar reuniões para ter um conhecimento mais aprofundado de todos os setores da empresa. Ter real noção do que está envolvido nesse processo pode ser o diferencial para conseguir tomar as melhores decisões na hora de elaborar um plano visando resultados. E você, já elaborou seu planejamento financeiro empresarial? Restou alguma dúvida sobre o processo ou tem outras dicas para compartilhar? Conte pra gente aqui nos comentários!

Moda infanto juvenil: 5 dicas de divulgação nas redes sociais

56994-moda-infanto-juvenil-x-dicas-de-divulgacao-nas-redes-sociais

As redes sociais dominaram o mundo — não é exagero! E, entre os jovens, elas parecem crescer com ainda mais força. Muitos deles tiveram suas primeiras fotos curtidas, comentadas, compartilhadas. É uma relação próxima e, por isso, as empresas voltadas para este público não devem deixar de apostar na divulgação nas redes sociais. Hoje, as redes sociais mais usadas pelos adolescentes são o Facebook, onde 78% dos usuário possuem perfis. 60% estão no YouTube e cerca de 50% no Twitter, Instagram e Snapchat. Vamos conhecer um pouco melhor cada uma delas! 1. Facebook O Facebook é a rede social mais popular em todas as faixas etárias, com um bilhão de usuários diários em todo o mundo. Nele, sua empresa não estará em contato apenas com seus consumidores diretos, mas com aqueles que também influenciam a compra: pais, irmãos, amigos, entre outros. Por isso, é recomendável que a página no Facebook seja o ponto de partida. Tome o cuidado de criar uma identidade visual para as postagens e planejar o conteúdo. Não fale só sobre sua loja, mas aborde também assuntos relacionados: dicas de moda, diversão, comportamento. Tenha pessoas preparadas para atender seus clientes e usuários online. As respostas precisam ser rápidas, personalizadas e objetivas. Aproveite, ainda, os recursos adicionais da rede: anúncios patrocinados, que permitem que você escolha o público que deseja alcançar, vídeos ao vivo, álbuns de fotos, recomendações e até ofertas — o Facebook tem uma ferramenta especial para elas! 2. Twitter Com um caráter mais dinâmico do que o Facebook — as publicações ficam disponíveis por dias às vezes —, o Twitter conquistou os jovens pela praticidade. Nele, é possível publicar textos de até 140 caracteres, fotos e vídeos curtos. Porém, o Twitter, justamente por ser mais dinâmico, exige um pouco mais de movimento: o ideal é postar duas vezes ao dia, pelo menos. Você pode compartilhar dicas rápidas, fotos das roupas, lançamentos, colocar o link para seu site e dar notícias, como uma coleção que acaba de chegar! As hashtags são também muito usadas ainda. Elas servem para ajudar os usuários a encontrar tweets sobre o assunto que os interessa, por exemplo, #moda. Por meio delas é possível acompanhar os assuntos mais comentados do momento e participar das conversas, quando for conveniente para a empresa. 3. Instagram O Instagram é feito de imagens e, por isso, é perfeito para empresas que podem se beneficiar delas. A quantidade de postagens ideal é mais flexível, e este é um bom canal para divulgar looks, peças, novas coleções, entre outros. Mas muito cuidado: as fotos devem ser de qualidade! E os filtros devem ser usados com parcimônia, afinal, os consumidores precisam ver os produtos como eles realmente são. No Instagram, as hashtags também desempenham papel fundamental. Procure usar as hashtags relacionadas à postagem e nunca deixe seu perfil privado, para que seja encontrado. 4. YouTube O YouTube virou o queridinho dos jovens, porém, é a rede social que exige mais empenho. Aqui, o conteúdo deve ter uma qualidade bem superior para fazer sucesso! No YouTube, é interessante criar conteúdo relevante para o público e evitar o institucional. Se você descobrir, em uma pesquisa de mercado, que seu público-alvo se interessa por maquiagem, considere criar uma web série com dicas, ensinando, também, a combinar maquiagem e roupa, por exemplo. Anote: os vídeos não podem parecer amadores, devem ser curtos, com até dois minutos em média, e devem ser super interessantes. 5. Snapchat O Snapchat tem menos usuários do que as outras redes que citamos, mas agrada muito o público jovem. Nele, é possível publicar fotos e vídeos, que não ficam muito tempo disponíveis — eles são apagados em 24h. Por isso, o Snapchat é ainda mais imediatista. Sua empresa pode aproveitar esta rede social para divulgar novas coleções, dicas rápidas de moda, entre outros assuntos factuais — tudo isso de maneira bem informal! Apostar na divulgação nas redes sociais é uma estratégia que tem tudo para trazer ótimos resultados. Com tantas ferramentas, sua empresa ganha mais canais de comunicação e, principalmente, interação. Esteja próximo ao seu consumidor, converse com ele, ajude-o a resolver os problemas do dia a dia. Aproveite! Para saber mais sobre o assunto, assine nossa newsletter e acompanhe nossas novidades!